RSS

Arquivos mensais: Julho 2011

perdão IV

“Forgiveness means giving up all hope for a better past”

Jack Kornfield

Perdão implica aceitar um passado que, de qualquer modo, nos lesou, magoou ou feriu. Penso que não significa acharmos que não poderíamos ter tido um passado melhor. Perdoar e aceitar dá-nos uma certa paz porque nos é impossível alterar os acontecimentos do passado. Sermos perdoados também é importante para a nossa paz interior. Outra tarefa bem árdua é perdoarmo-nos a nós próprios. Para algumas pessoas perdoar é quase impossível, mas vivem num constante tormento de raiva e ódio da pessoa a quem não perdoam. Eu também vivo neste tormento constante porque não sou capaz de me perdoar a mim mesmo. O acto do perdão é um processo, por vezes longo e demorado, algo que temos simplesmente de aceitar, o passado é imutável. Claro que custa viver com o passado que não foi como queríamos, custa viver o presente com a mágoa e dor do passado e, custa muito mais, viver um futuro em não conformidade com o sonho desfeito pelo passado. Perdoar é preciso, para nos libertarmos das amarras que nos prendem a uma mágoa e que nos impede de construir um futuro alternativo, que pode ser melhor ou pior mas é um futuro sem mágoas e culpas passadas. Perdoar é deixar o passado voar nas areias do tempo, é guardar o bom e aceitar o mal, esquecendo-o…

não perdoarmos ou não sermos perdoados é levar o peso de uma culpa ou uma mágoa connosco através da linha infinita do tempo

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 27 de Julho de 2011 em culpa, eu, perdão

 

Etiquetas: , ,

perdão III

“Let yourself remember and visualize the ways you have hurt others. See the pain you have caused out of your own fear and confusion. Feel your own sorrow and regret. Sense that finally you can release this burden and ask for forgiveness. Take as much time as you need to picture each memory that still burdens your heart. And then as each person comes to mind, gently say: 
I ask for your forgiveness, I ask for your forgiveness.” 

Jack Kornfield (The Art of Forgiveness, Lovingkindness, and Peace)

culpa...

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 27 de Julho de 2011 em Jack Kornfield, perdão

 

Etiquetas: ,

perdão II

“Forgiveness means giving up all hope for a better past”

Jack Kornfield

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 27 de Julho de 2011 em Homem, Jack Kornfield, perdão, tempo, vida

 

Etiquetas: , , ,

vida XXX

Sofro, logo existo?

ou…

Existo, logo sofro?

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 26 de Julho de 2011 em alma, amor, dor, sofrimento, vida

 

Etiquetas: , , , , ,

felicidade VII

A Fonte da Felicidade Reside Dentro de Nós

O hábito de me recolher a mim mesmo acabou por me tornar imune aos males que me acossam, e quase me fez perder a memória deles. Desse modo, aprendi com base na minha própria experiência que a fonte da felicidade reside dentro de nós e que não está no poder dos homens fazer com que fique realmente desgostosa uma pessoa determinada a ser feliz. Por quatro ou cinco anos desfrutei regularmente de alegrias interiores que almas gentis e afectuosas encontram numa vida de contemplação. 

Jean-Jacques Rousseau, in ‘Devaneios de um Caminhante Solitário’

Custa-me muito a aceitar este texto como certo, não acredito que sozinhos possamos ser felizes. Acredito que a felicidade possa estar dentro de nós, mas só dela poderemos desfrutar se fizermos alguém feliz. Acredito que somos felizes ao fazer alguém feliz. É uma “troca” de felicidades entre dois seres. A isto chamo de amor…

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 26 de Julho de 2011 em amor, felicidade

 

Etiquetas: ,

amor XXXIV

The Black Eyed Peas – Where Is The Love?

What’s wrong with the world, mama?
People living like they ain’t got no mamas
I think the whole world addicted to the drama
Only attracted to things that’ll bring you trauma
Overseas, yeah, we try to stop terrorism
But we still got terrorists here living
In the USA, the big CIA
The Bloods and The Crips and the KKK
But if you only have love for your own race
Then you only leave space to discriminate
And to discriminate only generates hate
And when you hate then you’re bound to get irate, yeah
Badness is what you demonstrate
And that’s exactly how anger works and operates
Man, you gotta have love just to set it straight
Take control of your mind and meditate
Let your soul gravitate to the love, y’all, y’all
People killing, people dying
Children hurt and you hear them crying
Can you practice what you preach?
And would you turn the other cheek?
Father, Father, Father, help us
Send some guidance from above
‘Cause people got me, got me questioning:
Where’s the love? (Love)
Where’s the love? (The love)
Where’s the love? (The love)
Where’s the love, the love, the love?
It just ain’t the same
Always in change
New days are strange
Is the world insane?
If love and peace is so strong
Why are there pieces of love that don’t belong?
Nations dropping bombs
Chemical gasses filling lungs of little ones
With ongoing suffering as the youth die young
So ask yourself:
Is the loving really gone?
So I could ask myself:
Really what is going wrong?
In this world that we living in
People keep on giving in
Making wrong decisions
Only visions of them dividends
Not respecting each other
Deny the brother
A war is going on
But the reason’s undercover
The truth is kept secret
It’s swept under the rug
If you never know truth
Then you never know love
Where’s the love, y’all, come on
(I don’t know)
Where’s the truth, y’all, come on
(I don’t know)
Where’s the love, y’all
People killing, people dying
Children hurt and you hear them crying
Can you practice what you preach?
And would you turn the other cheek?
Father, Father, Father, help us
Send some guidance from above
‘Cause people got me, got me questioning:
Where’s the love? (Love)
Where’s the love? (The love)
Where’s the love? (The love)
Where’s the love?
The love, the love
I feel the weight of the world on my shoulders
As I’m getting older, y’all, people gets colder
Most of us only care about money making
Selfishness got us following our wrong direction
Wrong information always shown by the media
Negative images is the main criteria
Infecting the young minds faster than bacteria
Kids wanna act like what they see in the cinema
Yo’, whatever happened to the values of humanity
Whatever happened to the fairness in equality
Instead in spreading love we spreading animosity
Lack of understanding, leading lives away from unity
That’s the reason why sometimes I’m feeling under
That’s the reason why sometimes I’m feeling down
There’s no wonder why sometimes I’m feeling under
Gotta keep my faith alive till love is found
Then ask yourself…
Where’s the love?
Where’s the love?
Where’s the love?
Where’s the love?
Father, Father, Father, help us
Send some guidance from above
‘Cause people got me, got me questioning:
Where’s the love?
 
1 Comentário

Publicado por em 26 de Julho de 2011 em amor, música, mundo, The Black Eyed Peas

 

Etiquetas: , , ,

portugal e a moody’s

WE ARE NOT IN THE MOODY’S – powered by Portugal

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 26 de Julho de 2011 em crise, política, portugal

 

Etiquetas: , ,

sociedade IV

O Triunfo dos Imbecis

Não nos deve surpreender que, a maior parte das vezes, os imbecis triunfem mais no mundo do que os grandes talentos. Enquanto estes têm por vezes de lutar contra si próprios e, como se isso não bastasse, contra todos os medíocres que detestam toda e qualquer forma de superioridade, o imbecil, onde quer que vá, encontra-se entre os seus pares, entre companheiros e irmãos e é, por espírito de corpo instintivo, ajudado e protegido. O estúpido só profere pensamentos vulgares de forma comum, pelo que é imediatamente entendido e aprovado por todos, ao passo que o génio tem o vício terível de se contrapor às opiniões dominantes e querer subverter, juntamente com o pensamento, a vida da maioria dos outros.
Isto explica por que as obras escritas e realizadas pelos imbecis são tão abundante e solicitamente louvadas – os juízes são, quase na totalidade, do mesmo nível e dos mesmos gostos, pelo que aprovam com entusiasmo as ideias e paixões medíocres, expressas por alguém um pouco menos medíocre do que eles.

Este favor quase universal que acolhe os frutos da imbecilidade instruída e temerária aumenta a sua já copiosa felicidade. A obra do grande, ao invés, só pode ser entendida e admirada pelos seus pares, que são, em todas as gerações, muito poucos, e apenas com o tempo esses poucos conseguem impô-la à apreciação idiota e ovina da maioria. A maior vitória dos néscios consiste em obrigar, com certa frequência, os sábios a actuar e falar deles, quer para levar uma vida mais calma, quer para a salvar nos dias da epidemia aguda da loucura universal.

Giovanni Papini, in ‘Relatório Sobre os Homens’

Já nada disto me surpreende, a maioria nem sempre (ou quase nunca) tem razão, porque é formada por, como o autor lhes chama, de imbecis. Este é o motivo porque penso que a democracia não funciona bem,  porque a maioria ganha e, como se vê, a maioria é formada por…

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 26 de Julho de 2011 em Homem, mundo, sociedade

 

Etiquetas: , ,

futuro II

“Futuro. Esse período de tempo no qual os nossos negócios prosperam, os nossos amigos são verdadeiros e a nossa felicidade está garantida.”

Ambrose Gwinett Bierce

Qualquer semelhança com a realidade é pura coincidência…

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 25 de Julho de 2011 em Ambrose Gwinett Bierce, futuro, tempo, vida

 

Etiquetas: , , ,

cansaço

Cansaço, é o que sinto hoje

Sem mais forças

Sem mais energia

Sem mais vontades

Cansado de tudo

Cansado de nada

Apenas cansado

Desta existência

Infeliz

Cansado…

De mim

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 25 de Julho de 2011 em cansaço, eu

 

Etiquetas: ,

desânimo III

Cansaço

O que há em mim é sobretudo cansaço — 
Não disto nem daquilo, 
Nem sequer de tudo ou de nada: 
Cansaço assim mesmo, ele mesmo, 
Cansaço. 

A subtileza das sensações inúteis, 
As paixões violentas por coisa nenhuma, 
Os amores intensos por o suposto em alguém, 
Essas coisas todas — 
Essas e o que falta nelas eternamente —; 
Tudo isso faz um cansaço, 
Este cansaço, 
Cansaço. 

Há sem dúvida quem ame o infinito, 
Há sem dúvida quem deseje o impossível, 
Há sem dúvida quem não queira nada — 
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles: 
Porque eu amo infinitamente o finito, 
Porque eu desejo impossivelmente o possível, 
Porque quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser, 
Ou até se não puder ser… 

E o resultado? 
Para eles a vida vivida ou sonhada, 
Para eles o sonho sonhado ou vivido, 
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto… 
Para mim só um grande, um profundo, 
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço, 
Um supremíssimo cansaço, 
Íssimno, íssimo, íssimo, 
Cansaço… 

Álvaro de Campos, in “Poemas” 
Heterónimo de Fernando Pessoa

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 25 de Julho de 2011 em cansaço, desânimo, fernando pessoa, poesia, vida

 

Etiquetas: , , , ,

felicidade VI

“Há o desejo, que não tem limite, e há o que se alcança, que o tem. A felicidade consiste em fazer coincidir os dois.”

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 24 de Julho de 2011 em desejo, felicidade, Vergílio Ferreira

 

Etiquetas: , ,

felicidade V

“A felicidade é sermos felizes; não é fingirmos perante os outros que o somos.”

Jules Renard

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 24 de Julho de 2011 em felicidade, Jules Renard

 

Etiquetas: ,

Amy Winehouse

Parece que a idade de 27 anos é trágica no mundo dos artistas. Amy Winehouse junta-se a nomes como Brian JonesJimi HendrixJanis JoplinJim MorrisonKurt Cobain e muitos mais. Vejam a lista do chamado clube 27 aqui: http://en.wikipedia.org/wiki/27_Club.

R.I.P.

 

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 24 de Julho de 2011 em Amy Winehouse, morte

 

Etiquetas: ,

música XVIII

Amy Winehouse – Love Is A Losing Game

For you I was a flame
Love is a losing game
Five story fire as you came
Love is a losing game

Why do I wish I never played
Oh, what a mess we made
And now the final frame
Love is a losing game

Played out by the band
Love is a losing hand
More than I could stand
Love is a losing hand

Self professed… profound
Till the chips were down
…know you’re a gambling man
Love is a losing hand

Though I’m rather blind
Love is a fate resigned
Memories mar my mind
Love is a fate resigned

Over futile odds
And laughed at by the gods
And now the final frame
Love is a losing game

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 23 de Julho de 2011 em amor, Amy Winehouse, música

 

Etiquetas: , ,

 
%d bloggers like this: