RSS

Arquivos diários: 18 de Setembro de 2011

amor LIII

“Amar, é encontrar a própria felicidade na felicidade alheia”

Wilhelm Leibniz

Amar é ser feliz ao fazer alguém feliz, é sentir o que ela sente numa sintonia emocional, é ser metade da metade de alguém formando uma única alma sincronizada em tudo. Amar é ilógico na lógica do amor. Amor é a lógica da vida, é ser feliz só pela sua companhia, pela sua felicidade. Amor é o paraíso neste mundo infernal.

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 18 de Setembro de 2011 em amor, felicidade, Wilhelm Leibniz

 

Etiquetas: , ,

eu XXV

Por vezes me pergunto o que é pior, não entender o mundo ou não ser entendido pelo mundo. Ou será que uma é consequência da outra? Se eu entendesse o mundo, seria compreendido pelo mundo? Aceitar não é compreender, é apenas ver uma opção, uma acção como hipótese viável para alguém, embora não o seja para mim. Já aceitei muito mais do que o que aceito hoje, tenho menos álibis para os actos dos outros, compreendo menos e não consigo aceitar mesmo o que já conseguira antes. Aceitar, mesmo o que não se compreende, é o primeiro passo para a paz interior. Paz que tanto preciso e que não tenho. A minha alma revolta-se, o sangue ferve e as lágrimas caem fundindo em emoções que mais ninguém compreende. Toda a gente espera que eu as entenda, que eu aja de modo que elas querem, do melhor modo para elas. E eu? Quando alguém vai compreender o que eu quero e aceitar que talvez eu esteja certo? Já estive certo infinitas vezes mas agi de modo diferente porque era o melhor para alguém que não eu, o que se veio a revelar que simplesmente não era o melhor para ninguém… Não tenho a pretensão de estar sempre certo ou de ter a verdade absoluta comigo mas muita coisa que afirmei que aconteceria, aconteceu mesmo. Por vezes sinto que eu sou uma constante nula neste universo, que eu não faço diferença nenhuma, que existindo ou não, o mundo seria o mesmo. É deprimente ver que as pessoas não concordam comigo, mas no fim dão razão às minhas palavras com as próprias acções. Como é evidente, também já errei, também já me enganei, e muito. É deprimente perder e sofrer assim, É deprimente não compreender a lógica dos outros. É deprimente que os outros não concordem com a minha lógica. É deprimente eu ter de ser assim, ter de compreender para aceitar, ter de ter a razão lógica para compreender e aceitar algo. É deprimente…

nada é tão complicado como parece, nós complicamos tudo...

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 18 de Setembro de 2011 em eu, mundo, sociedade

 

Etiquetas: , ,

 
%d bloggers like this: