RSS

Arquivos mensais: Dezembro 2011

O Amor é Mais Forte

O Amor é Mais Forte

Os amantes de hoje preferem a droga mais leve, o tabaco mais light ou o café descafeinado. Já ninguém quer ficar pedrado de amor ou sofrer de uma overdose de paixão. As emoções fortes são fracas e as próprias fraquezas revelam-se mais fortes. Os amantes, esses, são igualmente namorados da monotonia e amigos íntimos da disciplina. O que está fora de controlo causa-lhes confusão, e afecta-lhes uma certa zona do cérebro, mas quase nunca lhes toca o coração. O amor devia ser sonhado e devia fazê-los voar; em vez disso é planeado, e quanto muito, fá-los pensar. Sobre o amor não se tem controlo. É um sentimento que nos domina, que nos sufoca e que nos mata. Depois dá-nos um pouco vida. No amor queremos viver, mas pouco nos importa morrer e estamos sempre dispostos a ir mais além. Deixamo-nos cair em tentação, e não nos livramos do mal, embora procuremos o bem. No amor também se tem fé, mas não se conhecem orações: amamos porque cremos, porque desejamos e porque sabemos que o amor existe. Amamos sem saber se somos amados, e por isso podemos acabar desolados, isolados e deprimidos. Que se lixe! O amor não é justo, não é perfeito; no amor não se declaram sentenças nem se proferem comunicados. O amor prefere ser imprevisível, cheio de riscos e de fogo cruzado. No amor os braços não se cruzam, as palavras não se gastam e os gestos servem para o demonstrar. Amar também é lutar, e enfrentar monstros fabulosos com cabeça de leão, corpo de cabra e cauda de dragão. É uma ilusão, um sonho, um absurdo e uma fantasia. O amor não se entende, não se interpreta, não se discerne nem se traduz. Quem ama acredita, mas não sabe bem porquê, não sabe bem o quê, nem percebe bem como.

Rogério Fernandes, in ‘Alterne Activo’

Anúncios
 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 29 de Dezembro de 2011 em amor, Rogério Fernandes

 

Etiquetas: ,

tempo #10

Explicação da Eternidade

devagar, o tempo transforma tudo em tempo.
o ódio transforma-se em tempo, o amor
transforma-se em tempo, a dor transforma-se
em tempo.

os assuntos que julgámos mais profundos,
mais impossíveis, mais permanentes e imutáveis,
transformam-se devagar em tempo.

por si só, o tempo não é nada.
a idade de nada é nada.
a eternidade não existe.
no entanto, a eternidade existe.

os instantes dos teus olhos parados sobre mim eram eternos.
os instantes do teu sorriso eram eternos.
os instantes do teu corpo de luz eram eternos.

foste eterna até ao fim.

José Luís Peixoto, in “A Casa, A Escuridão”

 
4 Comentários

Publicado por em 29 de Dezembro de 2011 em amor, José Luís Peixoto, poesia, tempo

 

Etiquetas: , , ,

Poema do Silêncio

Poema do Silêncio

Sim, foi por mim que gritei.
Declamei,
Atirei frases em volta.
Cego de angústia e de revolta.

Foi em meu nome que fiz,
A carvão, a sangue, a giz,
Sátiras e epigramas nas paredes
Que não vi serem necessárias e vós vedes.

Foi quando compreendi
Que nada me dariam do infinito que pedi,
– Que ergui mais alto o meu grito
E pedi mais infinito!

Eu, o meu eu rico de baixas e grandezas,
Eis a razão das épi trági-cómicas empresas
Que, sem rumo,
Levantei com sarcasmo, sonho, fumo…

O que buscava
Era, como qualquer, ter o que desejava.
Febres de Mais. ânsias de Altura e Abismo,
Tinham raízes banalíssimas de egoísmo.

Que só por me ser vedado
Sair deste meu ser formal e condenado,
Erigi contra os céus o meu imenso Engano
De tentar o ultra-humano, eu que sou tão humano!

Senhor meu Deus em que não creio!
Nu a teus pés, abro o meu seio
Procurei fugir de mim,
Mas sei que sou meu exclusivo fim.

Sofro, assim, pelo que sou,
Sofro por este chão que aos pés se me pegou,
Sofro por não poder fugir.
Sofro por ter prazer em me acusar e me exibir!

Senhor meu Deus em que não creio, porque és minha criação!
(Deus, para mim, sou eu chegado à perfeição…)
Senhor dá-me o poder de estar calado,
Quieto, maniatado, iluminado.

Se os gestos e as palavras que sonhei,
Nunca os usei nem usarei,
Se nada do que levo a efeito vale,
Que eu me não mova! que eu não fale!

Ah! também sei que, trabalhando só por mim,
Era por um de nós. E assim,
Neste meu vão assalto a nem sei que felicidade,
Lutava um homem pela humanidade.

Mas o meu sonho megalómano é maior
Do que a própria imensa dor
De compreender como é egoísta
A minha máxima conquista…

Senhor! que nunca mais meus versos ávidos e impuros
Me rasguem! e meus lábios cerrarão como dois muros,
E o meu Silêncio, como incenso, atingir-te-á,
E sobre mim de novo descerá…

Sim, descerá da tua mão compadecida,
Meu Deus em que não creio! e porá fim à minha vida.
E uma terra sem flor e uma pedra sem nome
Saciarão a minha fome.

José Régio, in ‘As Encruzilhadas de Deus’

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 28 de Dezembro de 2011 em josé régio, poesia, silêncio

 

Etiquetas: , ,

Oleg Shuplyak

Espero que gostem…

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 28 de Dezembro de 2011 em arte, Oleg Shuplyak

 

Etiquetas: ,

amor #55

Há gestos que são quase automáticos quando amamos verdadeiramente alguém, espontâneos para com quem amamos. São nesses pequenos gestos que vemos a grandeza de um amor,gestos esses que são contínuos na presença do ser amado. Nunca se vê a grandeza de um amor naqueles gestos grandiosos e esporádicos, que inúmeras vezes servem para compensar negligências e erros…

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 28 de Dezembro de 2011 em amor

 

Etiquetas:

amor #54

“A representação do amor vai muito além dos sentimentos ardentes de pessoas apaixonadas. O Verdadeiro e puro amor é representado através de pequenos atos de carinho e demonstrações de preucupação com algo ou alguém. A Amabilidade é enfim, a arte de amar e ser amado.”

Fábio Gabriel Capua

São todas as pequenas coisas que fazemos por amor, todos os pequenos gestos, todas as pequenas palavras que fazem um amor grande. Não são as grandes coisas que fazemos, mas sim todas as pequenas coisas que fazemos continuamente que mostram o tamanho do nosso amor, a importância que a pessoa amada tem para nós. E, decididamente, um grande acto não compensa tempos de negligência para com a pessoa que se ama.

o amor grande está nas pequenas coisas...

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 27 de Dezembro de 2011 em amor

 

Etiquetas:

felicidade #12

“Não devemos permitir que alguém saia da nossa presença sem se sentir melhor e mais feliz.”

Madre Teresa de Calcutá

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 25 de Dezembro de 2011 em felicidade, Madre Teresa de Calcutá, vida

 

Etiquetas: , ,

 
%d bloggers like this: