RSS

Arquivo da Categoria: Homem

verdades?

As Chamadas Verdades Essenciais do Homem

As chamadas verdades essenciais do homem lembram-me às vezes números de um grande programa que os tambores anunciam pelas ruas fora que vai ser deslumbrante e cumprido à risca, e que os pobres actores, à noite, realizam sabe Deus como, a passar em claro cenas inteiras. A afirmar e a prometer, nenhum bicho leva a palma ao colega antropóide. Mas é vê-lo em plena representação, ou depois dela, no camarim, nu e lavado. Que miséria! A justiça imanente que pregou e demonstrou, acrescenta-lhe, por segurança, o ergástulo e o carrasco; ao pecado, junta-lhe a confissão; à predestinação, o livre arbítrio; à morte, a ressurreição. Lembra-me sempre a velha história dos castelos de heroísmo e fidelidade, com a portinha da traição disfarçada nas muralhas…

Miguel Torga, in “Diário (1943)”

Nós só vemos o espectáculo que os outros mostram para as câmaras, o mais importante da vida, o real, fica nos bastidores deste teatro que é a nossa vida…

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 3 de Fevereiro de 2012 em Homem, mentira, miguel torga, verdade

 

Etiquetas: , , ,

tempo #11

“Os dias talvez sejam iguais para um relógio, mas não para um homem.”

Marcel Proust

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 23 de Janeiro de 2012 em Homem, Marcel Proust, tempo

 

Etiquetas: , ,

sensibilidade…

O Mundo é de Quem não Sente

O mundo é de quem não sente. A condição essencial para se ser um homem prático é a ausência de sensibilidade. A qualidade principal na prática da vida é aquela qualidade que conduz à acção, isto é, a vontade. Ora há duas coisas que estorvam a acção – a sensibilidade e o pensamento analítico, que não é, afinal, mais que o pensamento com sensibilidade. Toda a acção é, por sua natureza, a projecção da personalidade sobre o mundo externo, e como o mundo externo é em grande e principal parte composto por entes humanos, segue que essa projecção da personalidade é essencialmente o atravessarmo-nos no caminho alhieo, o estorvar, ferir e esmagar os outros, conforme o nosso modo de agir. Para agir é, pois, preciso que nos não figuremos com facilidade as personalidades alheias, as suas dores e alegrias. Quem simpatiza pára. O homem de acção considera o mundo externo como composto exclusivamente de matéria inerte – ou inerte em si mesma, como uma pedra sobre que passa ou que afasta do caminho; ou inerte como um ente humano que, porque não lhe pôde resistir, tanto faz que fosse homem como pedra, pois, como à pedra, ou se afastou ou se passou por cima.

Fernando Pessoa, in ‘O Livro do Desassossego’

Por vezes desejo ser assim, sem sentimentos, sem pensar em mais ninguém, apenas continuar o caminho sem me importar com nada nem ninguém. Como já o referi antes, neste momento seria bem mais fácil se eu fosse uma besta insensível… Mas não o consigo… Pessoas não são pedras, mesmo aquelas que nos tratam como se fôssemos, não consigo deixar de me importar, deixar de sentir, sou assim, morrerei assim :(.

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 28 de Agosto de 2011 em fernando pessoa, Homem, mundo, sociedade

 

Etiquetas: , , ,

O tamanho das pessoas…

As pessoas têm o tamanho da importância que lhes damos. Se não gostamos de alguém para quê discutir? Isso é dar-lhes mais valor do que merecem, desprezo por outro lado diz-lhes a relevância que tem para nós, ou seja, nenhuma. No caso oposto, quando amamos alguém devemos mostrar-lhe todos os dias a importância que tem para nós, a diferença que faz estar na nossa vida. As palavras só não bastam. Palavras são ditas e podem ou não ser sentidas. Os pequenos gestos, os pequenos momentos, as pequenas lembranças falam muito mais do que um “amo-te”. As palavras correm mais o risco de serem esquecidas. Os gestos gravam-se-nos na memória, bem mais profundamente. A alma é mais importante que o corpo, por isso sente mais que o corpo. tantas coisas que podemos fazer para a alma. Um passeio pela praia à beira mar, acordá-la com um beijo, uma rosa e um “amo-te”, uma surpresa no trabalho, uma noite ao luar, enfim tanto por onde escolher. O pior é entrar na rotina, mau é quando já não conseguem falar. Fazermos o nosso alguém especial é partilharmos dessa mesma felicidade, é a nossa felicidade. É importante sentirmos que somos especiais para quem amamos assim como temos de a fazer sentir especial e importantes. As pessoas tem o tamanho da importância que lhes damos, que as fazemos sentir…

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 22 de Agosto de 2011 em amor, Homem, vida

 

Etiquetas: , ,

sociedade V

“Guia-te sempre pela decisão que produza menor soma de prejuízos a ti mesmo e ao teu próximo. Antes de assumires compromissos, reflexiona a respeito dos possíveis resultados, e mais facilmente saberás eleger aqueles que te proporcionarão melhores frutos para o futuro. Sempre que algumas vantagens para ti ofereçam danos para outrem, recusa-as, porquanto ninguém poderá ser feliz erguendo a sua alegria sobre o infortúnio do seu próximo. Isto equivale a dizer: “Não faças ao outro aquilo que não gostarias que ele te fizesse.” O que hoje percas a favor de alguém, amanhã receberás sem prejuízo de ninguém.”

Joanna de Ângelis

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 16 de Agosto de 2011 em desilusão, Homem, sociedade

 

Etiquetas: , ,

prata do melhor estanho

Desilusões são desvios de comportamento nos outros em relação ao que nós achamos correcto. Quer queiramos quer não projectamos o nosso eu nos outros e esperamos deles o mesmo que nós faríamos ou diríamos. Nós esperamos que os outros sejam como nós, que ajam como nós, que respondam como nós. Não somos todos iguais, nem todos temos consciência dos outros e quando nos fazem algo que não faríamos a ninguém lá vem a desilusão, a decepção. Afinal de quem é o erro? Dos outros que fazem algo que seríamos incapazes? Nossa por esperarmos que os outros pensem em nós e não façam algo que nós achamos incorrecto? Não sei. Talvez o melhor seja esperar sempre o pior dos outros, assim não nos decepcionam e algo de bom que nos façam faz-nos sentir bem… Por isso digo: as pessoas são feitas de prata do melhor estanho…

“Não faças aos outros aquilo que não gostarias que te fizessem”

respeito...

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 16 de Agosto de 2011 em desilusão, Homem, sociedade

 

Etiquetas: , ,

dessa água não beberei…

De tudo o que esta vida fez questão de me ensinar o que mais aprendi foi que nunca podemos dizer que nunca faremos algo na nossa vida. Tanta vez eu afirmei “se fosse eu, não era assim” ou “se fosse comigo, era diferente” e, quando me deparei com a mesma situação, fiz exactamente o mesmo que disse que nunca faria. Nenhum de nós pode afirmar que nunca fará algo numa situação até que se depare com essa mesma situação. Lembro-me de “criticar” um colega meu por algo que ele estava a fazer e, no fim, aconteceu o mesmo comigo e fiz exactamente o mesmo. Há momentos em que apenas reagimos, fazemos tudo menos o que esperávamos que fizéssemos. Portanto, meus amigos, nunca digam que dessa água não beberão até passar por algo que potencie essa acção. Por exemplo, quantos de nós afirmámos que somos incapazes de matar? Eu acho que sou incapaz. Se estivermos numa situação de vida ou de morte o que fazemos? não sabemos até vivermos a experiência…

nunca farei isso... prometo...

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 16 de Agosto de 2011 em eu, Homem, sociedade, vida

 

Etiquetas: , , ,

 
%d bloggers like this: