RSS

Arquivo da Categoria: poesia

introspecção

Introspecção

O vento vocifera
quando chega a noite
para se anichar
nos braços das árvores
caladas que escutam
o rugir da fera
a deambular
nas veredas escusas
das almas perdidas
onde o silêncio grita
os inconfessáveis
segredos da morte
que mudos escorregam
pelo indizível
das coisas que dizem
sem nunca dizer
que só o que é finito
se torna possível
e merece viver…

Adelino Torres –  Cantos do crepúsculo

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 13 de Junho de 2012 em poesia

 

Etiquetas:

vida #67

Tenho Tanto Sentimento
.
Tenho tanto sentimento 
Que é frequente persuadir-me 
De que sou sentimental, 
Mas reconheço, ao medir-me, 
Que tudo isso é pensamento, 
Que não senti afinal. 
.
Temos, todos que vivemos, 
Uma vida que é vivida 
E outra vida que é pensada, 
E a única vida que temos 
É essa que é dividida 
Entre a verdadeira e a errada. 
.
Qual porém é a verdadeira 
E qual errada, ninguém 
Nos saberá explicar; 
E vivemos de maneira 
Que a vida que a gente tem 
É a que tem que pensar. 
.
Fernando Pessoa, in “Cancioneiro”


 
4 Comentários

Publicado por em 29 de Abril de 2012 em fernando pessoa, poesia, vida

 

Etiquetas: , ,

amor #59

De um Amor Morto

De um amor morto fica 
Um pesado tempo quotidiano 
Onde os gestos se esbarram 
Ao longo do ano 

De um amor morto não fica 
Nenhuma memória 
O passado se rende 
O presente o devora 
E os navios do tempo 
Agudos e lentos 
O levam embora 

Pois um amor morto não deixa 
Em nós seu retrato 
De infinita demora 
É apenas um facto 
Que a eternidade ignora 

Sophia de Mello Breyner Andresen, in “Geografia”

alguns amores são como velas apagadas, não gastam mas também não dão luz nem dão calor... não evoluem, estagnam na dimensão do tempo...

 
2 Comentários

Publicado por em 28 de Abril de 2012 em amor, poesia, Sophia de Mello Breyner Andresen

 

Etiquetas: , ,

sonho #8

Pudesse eu ser tu
E em tua saudade ser a minha própria espera.

E sonho-te
Quando ansiava ser um sonho teu.

Fica aqui o poema completo:

O Amor, Meu Amor

Nosso amor é impuro
como impura é a luz e a água
e tudo quanto nasce
e vive além do tempo.

Minhas pernas são água,
as tuas são luz
e dão a volta ao universo
quando se enlaçam
até se tornarem deserto e escuro.
E eu sofro de te abraçar
depois de te abraçar para não sofrer.

E toco-te
para deixares de ter corpo
e o meu corpo nasce
quando se extingue no teu.

E respiro em ti
para me sufocar
e espreito em tua claridade
para me cegar,
meu Sol vertido em Lua,
minha noite alvorecida.

Tu me bebes
e eu me converto na tua sede.
Meus lábios mordem,
meus dentes beijam,
minha pele te veste
e ficas ainda mais despida.

Pudesse eu ser tu
E em tua saudade ser a minha própria espera.

Mas eu deito-me em teu leito
Quando apenas queria dormir em ti.

E sonho-te
Quando ansiava ser um sonho teu.

E levito, voo de semente,
para em mim mesmo te plantar
menos que flor: simples perfume,
lembrança de pétala sem chão onde tombar.

Teus olhos inundando os meus
e a minha vida, já sem leito,
vai galgando margens
até tudo ser mar.
Esse mar que só há depois do mar.

Mia Couto, in “idades cidades divindades”

 
4 Comentários

Publicado por em 11 de Abril de 2012 em amor, mia couto, poesia, sonho

 

Etiquetas: , , ,

amor #58

A Demora

O amor nos condena:
demoras
mesmo quando chegas antes.
Porque não é no tempo que eu te espero.

Espero-te antes de haver vida
e és tu quem faz nascer os dias.

Quando chegas
já não sou senão saudade
e as flores
tombam-me dos braços
para dar cor ao chão em que te ergues.

Perdido o lugar
em que te aguardo,
só me resta água no lábio
para aplacar a tua sede.

Envelhecida a palavra,
tomo a lua por minha boca
e a noite, já sem voz
se vai despindo em ti.

O teu vestido tomba
e é uma nuvem.
O teu corpo se deita no meu,
um rio se vai aguando até ser mar.

Mia Couto, in ” idades cidades divindades”

Quando se ama o tempo longe é uma eternidade, e o tempo juntinhos é sempre pouco…

 
2 Comentários

Publicado por em 11 de Abril de 2012 em amor, mia couto, poesia

 

Etiquetas: , ,

beijo #4

Um Beijo

Foste o beijo melhor da minha vida,
ou talvez o pior…Glória e tormento,
contigo à luz subi do firmamento,
contigo fui pela infernal descida!
Morreste, e o meu desejo não te olvida:
queimas-me o sangue, enches-me o pensamento,
e do teu gosto amargo me alimento,
e rolo-te na boca malferida.
Beijo extremo, meu prêmio e meu castigo,
batismo e extrema-unção, naquele instante
por que, feliz, eu não morri contigo?
Sinto-me o ardor, e o crepitar te escuto,
beijo divino! e anseio delirante,
na perpétua saudade de um minuto…

Olavo Bilac, in “Poesias”

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 6 de Fevereiro de 2012 em amor, beijo, Olavo Bilac, poesia

 

Etiquetas: , , ,

lágrimas da alma

Lágrimas Ocultas

Se me ponho a cismar em outras eras
Em que ri e cantei, em que era querida,
Parece-me que foi noutras esferas,
Parece-me que foi numa outra vida …

E a minha triste boca dolorida,
Que dantes tinha o rir das primaveras,
Esbate as linhas graves e severas
E cai num abandono de esquecida!

E fico, pensativa, olhando o vago …
Toma a brandura plácida dum lago
O meu rosto de monja de marfim …

E as lágrimas que choro, branca e calma,
Ninguém as vê brotar dentro da alma!
Ninguém as vê cair dentro de mim!

Florbela Espanca, in “Livro de Mágoas”

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 3 de Fevereiro de 2012 em florbela espanca, lágrima, poesia

 

Etiquetas: , ,

 
%d bloggers like this: