RSS

Arquivo de etiquetas: saudade

solidão #17

Este, que um deus cruel arremessou à vida,
Marcando-o com o sinal da sua maldição,
– Este desabrochou como a erva má, nascida
Apenas para aos pés ser calcada no chão.

De motejo em motejo arrasta a alma ferida…
Sem constância no amor, dentro do coração
Sente, crespa, crescer a selva retorcida
Dos pensamentos maus, filhos da solidão.

Longos dias sem sol! noites de eterno luto!
Alma cega, perdida à toa no caminho!
Roto casco de nau, desprezado no mar!

E, árvore, acabará sem nunca dar um fruto;
E, homem, há de morrer como viveu: sozinho!
Sem ar! sem luz! sem Deus! sem fé! sem pão! sem lar!

Olavo Bilac, in “Poesias”

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 9 de Julho de 2012 em Olavo Bilac, poesia, saudade

 

Etiquetas: , ,

império dos sentidos

Quando tudo era a tua presença…

 

Sentido da visão:

Olhar-te, ver-te, admirar a tua beleza nos meus olhos. Deslumbrar-me com cada traço, cada curva, cada saliência cada cor do teu rosto, do teu corpo. Tudo em ti era belo, tudo era lindo. Em ti vi a perfeição. Eras a luz da minha escuridão, eras a beleza neste mundo feio, eras a cor neste mundo cinzento e negro.

 

Sentido da audição:

A tua voz encantava o meu ser, um doce canto de sereia que me seduzia a cada tom. Cada timbre, cada sussurro, cada riso eram uma balada que me embalava no teu amor. Ouvir-te era abstrair-me de tudo o mais que nos rodeava, que me fazia focar na mais linda melodia que jamais tinha apreciado igual.

 

Sentido do paladar:

Lembro-me da doçura dos teus beijos, da doçura dos teus lábios nos meus. Néctar dos deuses que eu saboreava com todo o gosto, desejando sempre e sempre mais. Não havia nada mais doce, nada mais que eu quisesse provar. Eras a minha iguaria, o prato saboroso da minha alma. Simplesmente… deliciava-me com o sabor dos teus beijos.

 

Sentido do tacto:

O meu corpo vibrava com o toque do teu. Um toque, um abraço, o calor do teu corpo no meu, tudo era um êxtase, um motivo de alegria para o meu ser. Momentos finitos com uma intensidade infinita. E cada toque teu era o calor que aquecia a frieza da minha alma, era o calor que mantinha a minha alma viva.

 

Sentido do olfacto:

Sentir o cheiro do teu corpo, do teu perfume, do teu aroma era o elixir da minha felicidade. Aroma que era mais aprazível  e mais agradável que todos os jardins do mundo. Com os olhos fechados, encostado a ti, sentia esse aroma e voava nas asas de um amor que tinha tudo para ser mais do que temporal, inha tudo para ser eterno.

E, NA TUA PRESENÇA, TODOS OS MEUS SENTIDOS SE INFLAMAVAM E FAZIAS-ME SENTIR NUM SONHO LINDO E PERFEITO, ERAS O MEU PARAÍSO…

AGORA TODOS OS MEUS SENTIDOS SENTEM A AGONIA DO INFERNO QUE É A TUA AUSÊNCIA…

MUNDO SEM COR

MUNDO DE RUÍDO

MUNDO AMARGO

MUNDO FRIO

MUNDO INOLOR

 
10 Comentários

Publicado por em 9 de Julho de 2012 em amor, saudade

 

Etiquetas: ,

saudade #7

Saudade é um sentimento que quando não cabe no coração, escorre pelos olhos.

(????)

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 7 de Abril de 2012 em lágrima, saudade

 

Etiquetas: ,

lágrimas #11

Ainda tenho muitos destes dias em que tudo é saudade, cada gesto, cada aroma, cada cor me transporta para o que já foi, para o que já acabou. E esta saudade mata-me, este desejo constante de ti, do teu amor, do teu toque, do teu abraço, do teu calor, do teu corpo, do teu aroma, de tudo o que eras para mim transforma-se em sofrimento, em dor e angústia. E tudo dentro de mim cresce, intensifica-se e este sofrimento toma conta de meu ser, transborda em lágrimas que derramam incontroláveis dos meus olhos mortos, sem vida nem brilho. Se, pelo menos, cada lágrima levasse definitivamente cada mágoa, cada dor, cada sofrimento…

 

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 6 de Abril de 2012 em amor, lágrima, saudade, sofrimento, tristeza

 

Etiquetas: , , , ,

saudade #6

“A saudade é a memória do coração.”

Coelho Neto

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 27 de Fevereiro de 2012 em amor, Coelho Neto, saudade

 

Etiquetas: , , ,

saudade #5

“Saudade é um pouco como fome. Só passa quando se come a presença. Mas às vezes a saudade é tão profunda que a presença é pouco: quer-se absorver a outra pessoa toda. Essa vontade de um ser o outro para uma unificação inteira é um dos sentimentos mais urgentes que se tem na vida.”

Clarice Lispector

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 21 de Janeiro de 2012 em alma, Clarice Lispector, saudade

 

Etiquetas: , ,

saudade #4

…é quando o vazio que não era nada pesa tanto que passa a ser tudo.

Postado por 

http://bwballoons.blogspot.com/2010/08/saudade.html

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 21 de Janeiro de 2012 em alma, saudade

 

Etiquetas: ,

 
%d bloggers like this: