RSS

Arquivo da Categoria: lágrima

saudade #7

Saudade é um sentimento que quando não cabe no coração, escorre pelos olhos.

(????)

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 7 de Abril de 2012 em lágrima, saudade

 

Etiquetas: ,

lágrimas #11

Ainda tenho muitos destes dias em que tudo é saudade, cada gesto, cada aroma, cada cor me transporta para o que já foi, para o que já acabou. E esta saudade mata-me, este desejo constante de ti, do teu amor, do teu toque, do teu abraço, do teu calor, do teu corpo, do teu aroma, de tudo o que eras para mim transforma-se em sofrimento, em dor e angústia. E tudo dentro de mim cresce, intensifica-se e este sofrimento toma conta de meu ser, transborda em lágrimas que derramam incontroláveis dos meus olhos mortos, sem vida nem brilho. Se, pelo menos, cada lágrima levasse definitivamente cada mágoa, cada dor, cada sofrimento…

 

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 6 de Abril de 2012 em amor, lágrima, saudade, sofrimento, tristeza

 

Etiquetas: , , , ,

(in)felicidade #3

Desejava ser possível

juntar toda esta tristeza

pintá-la numa tela

contá-la num conto

cantá-la numa melodia

escrevê-la numa prosa

rimá-la numa poesia

chorá-la numa lágrima

dissolvê-la no mar

e, que ela simplesmente

passasse…

 
2 Comentários

Publicado por em 20 de Março de 2012 em dor, eu, lágrima, sofrimento, tristeza

 

Etiquetas: , , , ,

dia do pai :(

Hoje é dia do pai… Dia que me deixa duplamente infeliz. Por um lado o desgosto de ter tido um pai que só o foi de nome, de resto, nunca foi verdadeiramente meu pai, muito pelo contrário… eu nunca faria o que ele me fez a ninguém, muito menos a um filho. Por outro lado, o desgosto de não ter filhos, algo que evito desejar mas que me massacra a mente todos os dias. O dia já se adivinhava infeliz e desgostoso, não precisava do bónus que tive, ter de rever quem mais me feriu nesta vida, alguém que desejei para fazer feliz, para ser a mãe dos meus filhos e que, tal como o meu pai, me deixou nesta estrada da vida ferido e a sangrar da alma, quase morto e a desejar um abraço gélido e eterno da morte. Está difícil de aguentar este dia, a cada lágrima que cai, um passo para essa intemporal morte que teima em não me abraçar, que teima em não me receber de braços abertos. Tento sobreviver mas cada vez aguento menos estes dias de angústia em que tenho de “fingir” que está tudo bem, custou-me tanto trabalhar com isto na mente hoje… Mas a vida vai continuando castigada por estes castigos contínuos que me fazem sangrar da alma, que reabrem todas as feridas passadas que ainda não cicatrizaram. Resta-me deitar e encostar a cabeça, tentar descansar a mente de todos estes fantasmas e tentar adormecer com estas lágrimas todas a fugir dos olhos já sem brilho pela vida, por estes olhos mortos e inertes que reflectem uma alma tão… tão… sei lá…

 
2 Comentários

Publicado por em 19 de Março de 2012 em amor, desgosto, dor, eu, lágrima, morte, sofrimento

 

Etiquetas: , , , , , ,

lágrimas #10

Every now and then, I get a little bit tired of

Listening to the sound of my tears

.
 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 28 de Fevereiro de 2012 em amor, lágrima, sofrimento

 

Etiquetas: ,

lágrimas #9

“As lágrimas são sagradas.

Não são a marca da fraqueza, mas da força.

São mensageiras da dor avassaladora e do amor indescritível.”

Washington Irving

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 6 de Fevereiro de 2012 em lágrima, Washington Irving

 

Etiquetas: ,

lágrimas da alma

Lágrimas Ocultas

Se me ponho a cismar em outras eras
Em que ri e cantei, em que era querida,
Parece-me que foi noutras esferas,
Parece-me que foi numa outra vida …

E a minha triste boca dolorida,
Que dantes tinha o rir das primaveras,
Esbate as linhas graves e severas
E cai num abandono de esquecida!

E fico, pensativa, olhando o vago …
Toma a brandura plácida dum lago
O meu rosto de monja de marfim …

E as lágrimas que choro, branca e calma,
Ninguém as vê brotar dentro da alma!
Ninguém as vê cair dentro de mim!

Florbela Espanca, in “Livro de Mágoas”

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 3 de Fevereiro de 2012 em florbela espanca, lágrima, poesia

 

Etiquetas: , ,

laugh… cry…

LAUGH…

AND THE WORLD

LAUGHS WITH YOU…

CRY…

AND YOU CRY ALONE.

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 13 de Janeiro de 2012 em lágrima, solidão, sorriso, vida

 

Etiquetas: , , ,

lágrimas #8

Hoje à noite fui dar um passeio, um longo passeio a pé. A esperança de que algo mudasse na minha vida ou em mim era muita, mas que idiota me senti, como se por magia, no fim do passeio, o mundo mudasse ou, em contrapartida eu ficasse diferente, melhor… As ruas estavam estranhamente desertas, vazias como a minha alma. Ao longe a lua ilumina os meus passos mas não me guia rumo à mudança, rumo à felicidade. Oiço o mar ao longe, aproximo-me mais dele na vã esperança de nele encontrar uma solução para toda este sofrimento. Chego lá e só oiço lamentações deste mar em que tanto confio os meus mais íntimos segredos e sentimentos. De repente desejo que a chuva caia, para disfarçar estas lágrimas que me começam a cair. Sabes, meu amigo mar, muita da água que formam as tuas onda são lágrimas minhas, lágrimas que chorei a teu lado, lágrimas carregadas de dor, de sofrimento, de solidão e de carência. Mas sinto que nem tu me vales, com tantas histórias de dor que já ouviste, és incapaz de me aliviar e de me confortar deste desgosto que me corrói e que arde cá dentro, que me mata mais um bocado a cada momento que passa. Olho para a lua e sinto que até ela me abandonou, mas perdoo-te minha amiga lua, todos acabam por me abandonar. Este ciclo de abandono começou muito cedo na minha vida, com o meu pai, por vezes penso que se até o meu pai me abandonou porque alguém há-de querer-me. Talvez o mal esteja em mim e não nos outros, talvez a causa do meu sofrimento seja eu mesmo e não os outros. Não sei, sinto que já não consigo raciocinar, os meus pensamentos estão cada vez mais vagos, diluídos nas lágrimas que teimam em escorrer-me pela face. Deito-me na areia, oiço o mar e vejo a lua e penso em ti. Tento entender mas já tenho dificuldade em me entender a mim próprio. Como preciso de ti, como preciso do teu amor, como preciso do teu carinho, como preciso de estar apenas ali, deitado no colo quente e reconfortante dum abraço dos teus braços. Por momentos imagino-te ali a meu lado, mas cedo percebo que não passa duma miragem do meu desejo. Então diluis-te com as minhas lágrimas e desapareces da minha realidade. Levanto-me com os olhos vermelhos e a cara molhada de lágrimas e parto então em rumo à mesma realidade de sempre, à minha tristeza, ao ódio pela minha vida, à vontade de não viver mais um dia neste inferno, desejando que o amanhã não chegue para mim, que chegue apenas à eternidade vazia, fria e escura da morte. Morte que espero que seja a minha paz…

 
6 Comentários

Publicado por em 15 de Outubro de 2011 em alma, dor, eu, lágrima, lua, mar, morte, vida

 

Etiquetas: , , , , , , ,

lágrimas VI

“Sometimes I feel I’m gonna break down and cry (so lonely)
Nowhere to go, nothing to do with my time
I get lonely, so lonely, living on my own”

Freddie Mercury – Living On My Own

 

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 16 de Setembro de 2011 em lágrima, solidão, tempo

 

Etiquetas: , ,

lágrimas V

“É a mensageira da saudade, é o relicário da prece, é a cristalização da mágoa. É imortal, porque deriva da alma. É a água que não seca, a lágrima, água do coração – salgada porque vem de um oceano sem praias, que é o desespero, estrela porque demanda o céu.”

Coelho Neto

 
2 Comentários

Publicado por em 15 de Setembro de 2011 em alma, Coelho Neto, dor, lágrima

 

Etiquetas: , , ,

lágrimas IV

“I’m just the pieces of the man I used to be 
Too many bitter tears are raining down on me”

Brian May – Too Much Love Will Kill You


 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 11 de Setembro de 2011 em alma, eu, lágrima

 

Etiquetas: , ,

eu XXIII

“A tristeza do olhar
A dor dentro de mim
A vontade de chorar
Ninguém sofre assim

Império dos sentados – Longe de ti

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 31 de Julho de 2011 em dor, lágrima, tristeza

 

Etiquetas: , ,

amor XXIV

But what use of flowers in the morning
When the garden they should grow in is not mine
And what use is sunshine if I’m crying
And my falling tears are mingled with the wine

Agnetha Fältskog

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 2 de Julho de 2011 em Agnetha Faltskog, amor, lágrima, solidão

 

Etiquetas: , , ,

lágrimas III

So tired that I couldn’t even sleep
So many secrets I couldn’t keep
Promised myself I wouldn’t weep
One more promise I couldn’t keep
.
 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 21 de Junho de 2011 em alma, lágrima

 

Etiquetas: ,

 
%d bloggers like this: